Category Archives: casa cheia

viajar

Entrei nos contos da piedade. Abre e abre uma história no tempo e venho viajante na sua casinha em sítios que no agora vão além de 6 de agosto de 2013. Entrámos pelas novas tecnologias. O telemóvel. Estava a tentar-lhe

viajar

Entrei nos contos da piedade. Abre e abre uma história no tempo e venho viajante na sua casinha em sítios que no agora vão além de 6 de agosto de 2013. Entrámos pelas novas tecnologias. O telemóvel. Estava a tentar-lhe

conversando

Fui visitar a Juliana ontem no largo da achada. Olhos azuis< blusa azul, céu azul. O sol batia-me na cabeça com uma força que foi um mote para entrar na sua casa. Tenho uma casinha de uma gata para vender.

conversando

Fui visitar a Juliana ontem no largo da achada. Olhos azuis< blusa azul, céu azul. O sol batia-me na cabeça com uma força que foi um mote para entrar na sua casa. Tenho uma casinha de uma gata para vender.

mexer mexer mexer

Depois de um silêncio após o festival, estava a passar a rua poço do borratem e trazia já a vontade de ir hoje ao centro de dia. De manhã encontrei a Isaura, que não estava a fazer malha, vestida de

mexer mexer mexer

Depois de um silêncio após o festival, estava a passar a rua poço do borratem e trazia já a vontade de ir hoje ao centro de dia. De manhã encontrei a Isaura, que não estava a fazer malha, vestida de

se gosto, gosto, se não gosto não estrago

aqui trago momentos de uma destas maravilhosas tardes em casa da dona piedade, chegar, abraçar, escutar, abrir as janelas, sacudir os lençóis, pentear os cabelos, não ter pressa: que a casa não era assim, quando foi das obras é que

se gosto, gosto, se não gosto não estrago

aqui trago momentos de uma destas maravilhosas tardes em casa da dona piedade, chegar, abraçar, escutar, abrir as janelas, sacudir os lençóis, pentear os cabelos, não ter pressa: que a casa não era assim, quando foi das obras é que

uma geografia de vida

as mãos deformadas, as costas tortas, os joelhos doridos, eu sei porque estou assim. todos os dias ía buscar o leite ao areeiro e trazia a pé os 50 litros até à almirante reis. havia uns fiscais com um termómetro

uma geografia de vida

as mãos deformadas, as costas tortas, os joelhos doridos, eu sei porque estou assim. todos os dias ía buscar o leite ao areeiro e trazia a pé os 50 litros até à almirante reis. havia uns fiscais com um termómetro

a dona maria do largo da achada volta a atacar

vamos nós a passar e olha lá quem se põe à janela com seus deditos inconfundíveis a assomar em volta das meias portadas de madeira? pois a dona maria! tinha-se zangado aqui há uns tempos porque um grupo de artistas

a dona maria do largo da achada volta a atacar

vamos nós a passar e olha lá quem se põe à janela com seus deditos inconfundíveis a assomar em volta das meias portadas de madeira? pois a dona maria! tinha-se zangado aqui há uns tempos porque um grupo de artistas

sopro

deito-me todos os dias com a esperança de acordar com um bocadinho mais de fôlego. mas cada dia quando acordo sinto que perdi mais um pouco das minhas forças. custa-me repirar. os únicos momentos em que me sinto bem são

sopro

deito-me todos os dias com a esperança de acordar com um bocadinho mais de fôlego. mas cada dia quando acordo sinto que perdi mais um pouco das minhas forças. custa-me repirar. os únicos momentos em que me sinto bem são

querida piedade

Querida Piedade Na sexta-feira passada a rota atravessou pelo mercado da ribeira e em conversa com a dona catarina, contou que o fressureiro já não lá estava e que a adega O Lagarto era ainda no sítio onde você tomava

querida piedade

Querida Piedade Na sexta-feira passada a rota atravessou pelo mercado da ribeira e em conversa com a dona catarina, contou que o fressureiro já não lá estava e que a adega O Lagarto era ainda no sítio onde você tomava

Querida Lisboa

Querida Lisboa, Já não te conheço. Há 2 anos que não saio de casa. Não tenho um ar muito poético para dizer coisas bonitas mas conheço bem a Dona Alice das cebola e dos alhos da Praça da Ribeira. trabalhei

Querida Lisboa

Querida Lisboa, Já não te conheço. Há 2 anos que não saio de casa. Não tenho um ar muito poético para dizer coisas bonitas mas conheço bem a Dona Alice das cebola e dos alhos da Praça da Ribeira. trabalhei

que eu não sou nenhuma santa

ai estou cheia de dores, e tenho muito frio, pensava que como estava a chover vocês não viessem….ai com esta chuva! vocês fazem-me muita falta, estou aqui tão sózinha. ainda hoje o outro disse ao costa:ó senhor presidente então você

que eu não sou nenhuma santa

ai estou cheia de dores, e tenho muito frio, pensava que como estava a chover vocês não viessem….ai com esta chuva! vocês fazem-me muita falta, estou aqui tão sózinha. ainda hoje o outro disse ao costa:ó senhor presidente então você

continuando a caminhar

Hoje, em Atenas, estivemos em casa da Dona Piedade. Estivemos todos lá. Devíamos ser uns 70 ou 80, não sei…éramos muitos. Conseguimos entrar, caber e dar mais um abraço. Fomos caminhando pelas ruas estreitas. Escutámos algumas das conversas. O aumento

continuando a caminhar

Hoje, em Atenas, estivemos em casa da Dona Piedade. Estivemos todos lá. Devíamos ser uns 70 ou 80, não sei…éramos muitos. Conseguimos entrar, caber e dar mais um abraço. Fomos caminhando pelas ruas estreitas. Escutámos algumas das conversas. O aumento

o vestido verde

continuamos cada semana a criar família com quem vive esquecido sem sair de casa.como é que tanta gente numa casinha tão pequenina pode criar este segredo de sermos família de sangues invisíveis? não tem anúncio no jornal tal como o

o vestido verde

continuamos cada semana a criar família com quem vive esquecido sem sair de casa.como é que tanta gente numa casinha tão pequenina pode criar este segredo de sermos família de sangues invisíveis? não tem anúncio no jornal tal como o