boaventura sousa santos vai estar no festival pedras13

dia 3 de julho pelas 22h, no largo de São Domingos, vamos estar a conversar com Boaventura Sousa Santos. Este foi o convite que lhe escrevemos e que aceitou:

A mesmice, a complexidade e as palavras com músculos

Encontramo-nos numa  encruzilhada. Um dos caminhos é guiado pelo medo, a violência, o sofrimento e a sede de poder e sabemos exatamente do que se trata. O outro é alumiado pela insistência em nos superarmos, em passar do confronto à cooperação, em passar do isolamento ao “fazer parte de”, em tomarmos nas mãos o destino na companhia de todos os outros organismos vivos. Este caminho é guiado pelo risco, pela confiança, pela alegria e pela determinação em manter a suspensão entre a morte do velho e o nascimento do novo através do “não saber”. A mudança urgente que é necessário operar, dada a sua complexidade, precisa de tempo para maturar uma nova forma mas precisa também de uma acção urgente que impeça a consolidação de um pesadelo maior. É preciso tempo, mas não há tempo. Sendo verdade é também uma armadilha onde já não podemos ficar a descansar. É urgente operar mudanças que garantam a democracia, mas estas mudanças só podem permanecer, dada a sua natureza dinâmica, se se operarem também mudanças a nível pessoal que lhes sirvam de base. A mancha verde da floresta radica na cor microscópica da clorofila que está em células que não podemos ver mas que se expressa na superfície do planeta. A dança entre o micro e o macro tem de se intensificar sobre os escombros das divisões entre categorias e dos clichés e o regresso do medo à dimensão adequada   para  alimentar o movimento permanente das coisas.  As palavras têm de criar músculos para rasgar a teia das construções intelectuais (que tolhem a acção) e dar lugar a um corpo que “pode”. Que não é vítima nem agressor. Encarna  a vibração da complexidade.

graça passos

Precisa-se de um questionamento permanente. Adiantamos algumas cenouras  para a sopa que propomos:  como agir a nível macro sem descurar o micro?  Como agir sem alimentar o que está? Ser radical sem fazer cedências? Como catalisar, sem manipulação, a imensa energia que está no ar à procura de uma forma? Como manter a energia e o bem  estar de cada um durante a caminhada?

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: