pensar dançar rua

Tentar dizer o que não sabemos dizer tem vindo a ser uma prática continuada, ainda mais sabendo que quando dizemos aquilo, vamos continuar sem saber ou simplesmente enunciaremos um outro campo desconhecido. Olho muito longe e muito perto, aí onde os planos e os volumes de novo se abstratizam e se desfocam e são qualquer coisa em potencia, um “não sei”. Tentar articular na escrita, aquilo que queríamos dizer na palavra em ato para outros muitos, vocês aí – ou melhor para nós muitos, eus aqui -, tem sido também um movimento frequente. É o que estou a fazer.

Isto, é sim, uma introdução para mim mesmo, uma tentativa mais de clarear a minha emergência em querer escrever um lapso vivencial acontecido faz 10 minutos atrás quando passeava a caminho de casa, uma impossibilidade em me dizer a mim próprio, em me escrever. O que me faz querer introduzir, mediante a língua escrita, esse meu lapso íntimo no contexto coletivo da língua? Onde aparece a vontade de dizer-se? Entendo essa vontade imediata de escrever como uma vontade de dizer, de por num plano diferenciado a experiência – melhor ainda, de fazer experiência da experiência – de manipular essa matéria abstracta da palavra para comunicar-se, imediatamente pelo menos, com meu eu-outro. Com esse eu, que só prolifera e existe na língua e mediante ela se vê a si próprio, se ouve, se veste, se fala e se faz mesmo comum aos outros-nós, outros-eus, ao despertencer-se de si próprio, se jogando ao ar na experiência do dizer. Uma capacidade de criar mundo?

Tanta razão que se amontoa uma sobre a outra quando no começo isto não queria ser tão lógico.

Ia caminhando, o corpo rarefeito, como se tivessem passado muitos anos nos últimos dois meses, o corpo pensando-se e percebendo-se com Lisboa de novo, os ombros crescendo largos, olhos grandes, olhos agrandados, a pele velha e querida aceitando a forma que adquire a cada momento, um nariz aberto que deixava passar a pedra fria. E vou chegando… com passos largos e areados desde a estação de comboios, através do Mercado da Ribeira até o Largo de São Paulo… neste ponto suspendo, ralentizo (slow-down) e contorno as formas ou elas me contornam. Há aqui, neste largo, um perímetro, certas ruas, alguns espaços onde, por certa dilatação das fronteiras entre o conveniente e o inconveniente, o corpo-que-caminha avança entre gestos e dobras, suspensões e ligeiras acelerações que habitualmente formam parte das impossibilidades da cidade, o gesto se rebela e acontece-me certa abertura, ou o fazer-se da possibilidade. Esta percepção, que se ia apegando ao pensamento, este pensamento do espaço se pensando – de se pensar com o espaço – foi me propondo desde a comunicação imediata com uma climatologia, uma luz, um devir do espaço no tempo; a possibilidade do corpo de criar espaços no espaço. Mas não só isso! Também observei a sobrevivência e extensão desses espaços criando-se por si próprios, como se a performance Walking and Talking e as práticas de meses na rua, tivessem produzido uma outra dimensão na historicidade do Largo de São Paulo ou anteriormente na rua da Mouraria, no Beco do Jasmin, etc. E a percepção da extensão destes espaços no tempo estava a ser quase como se: no labor comprometido da alquimia subtil da geração de espaços com o espaço-corpo, o que estivéssemos a fazer fosse semear possibilidade e tempo-espaço no lugar, carregando este de memorias possíveis no presente.

Irrupção de uma matéria que ainda não é constatada na língua, uma capacidade que vai se exercitando no corpo-pensante, de ver, não só desde a funcionalidade dos sentidos, se não desde a capacidade imaginativa (sense of imagination, Lisa Nelson) ativa continuamente neles e que no hábito da sobrevivência, na ausência da prática da dúvida é absorvida no horizonte do conhecido. Isto, é uma tentativa de se aproximar à inflexão que se realiza na produção do “real” em um espaço quando as atenções se permitem atentar, não desde um fim específico que tenta identificar as arquiteturas, movimentos, condições de perigo (ou não) com o propósito de estabelecer o antes possível um marco seguro, ou (re)conhecido – algo que precisamos que seja sem dúvida isso que estaríamos vendo (tautologia) – se não, quando na dilatação, necessária nestes dias, do tempo de identificação do “sim é” e do “não é”, um corpo, uma comunidade considera a possibilidade de gerar o “real” desde as atenções e o imaginário que destas emerge, em conjunto com a historicidade, com a qual operaríamos inevitavelmente na actualização desse “real” – ou fazer do real experiência .

Mais especificamente enquanto nos permitirmos duvidar que o olho esta treinado para ver só entre estes e aqueles parâmetros, e o ouvido para ouvir entre estes e aqueles outros, enquanto abrirmos a possibilidade de que o espaço corpo for imaginado ou estendamos os abismos da inter-espacialidade dele próprio para com ele próprio. Algo pequeno e grande na observância desse pequeno, algo próximo e longínquo, algo que não se obriga a estar preso na história do humano, nessa história que parece nos dizer que estamos presos a condutas e heranças, algo que se detecta vivo, até na mais pequena das partículas e abre brecha na sua historicidade com sua historicidade também.

Neste sentido há sim que brincar a imaginar, a ver e a perceber, não num positivismo romântico mas simplesmente como um exercício vital ante o colapso.

Ibon Salvador

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: